Conheça as reclamações das mulheres sobre o homem durante o sexo

 

O que estimula uma mulher e o que estimula seu parceiro na hora do sexo pode ser muito diferente. Um certo incômodo surge deste descompasso, principalmente quando ele tem certeza de que algo vai agradar a parceira. A comunicação entre os dois nem sempre funciona, e ela não sabe como dizer que uma atitude não é legal ou que uma pergunta não soa bem. Conversamos com três ginecologistas, especialistas em sexologia, que contaram as reclamações mais comuns que ouvem nos consultórios.

Perguntas demais

Ficar perguntando o tempo todo o que ela quer ou como ela quer fazer algo pode ser um erro, avisa a ginecologista e sexóloga Jaqueline Brendler, membro da diretoria da Associação Mundial para Saúde Sexual. Eles podem achar que estão usando as respostas como um guia para melhorar ou agradar mais, mas acabam passando uma impressão de insegurança.

– Homens seguros seguem seu instinto. Perguntas exigem respostas e sexo é para ser sentido, vivido, e não pensado – acrescenta Jaqueline, garantindo que as mulheres gostam mais de “se deixarem levar”.

Previsíveis demais

Deu certo uma vez? Vamos continuar assim! Em relações duradouras, o sexo costuma se tornar previsível, quase como se o casal estivesse seguindo um roteiro. No entanto, saber como o sexo iniciará e terminará não ajuda a libido das mulheres.

– Alguns homens se preocupam mais em agradar mulheres que ainda não conquistaram, incluindo no sexo – explica a ginecologista e sexóloga Jaqueline. – Antigas parceiras vão para o terreno do “conquistado”, o que faz o homem parar de investir na criatividade, então, muitas vezes, as relações ficam previsíveis e básicas.

Criativos demais

Por outro lado, inventar muito nem sempre cai bem com as mulheres. Entre os estímulos mais interessantes para os homens, por exemplo, estão os filmes pornôs, que geralmente não agradam as parceiras. Outras práticas relativamente comuns, como sexo oral e masturbação, também incomodam algumas mulheres, como explica a ginecologista, obstetra e sexóloga Sandra Scalco.

– A mulher ainda sofre muito com a repressão e pode ter dificuldade e preconceito de experimentar algumas coisas diferentes do padrão no sexo.

Sem camisinha

Depois de algumas relações, muitos homens começam a propor sexo sem camisinha. Chegam a pressionar a mulher, acreditando que será mais agradável para ambos. Então, cabe à mulher lembrar: a camisinha é garantia de proteção contra doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada.

Direto ao ponto

A palavra é: preliminares. Para muitos homens, o óbvio é ir rapidamente para chegar ao objetivo final, ou seja, a penetração. Porém, a resposta sexual feminina é mais lenta, demorando entre 15 e 20 minutos para chegar a um nível de excitação, como explica a ginecologista, obstetra e sexóloga Sandra Scalco, terapeuta sexual e coordenadora do ambulatório de sexologia do Hospital Presidente Vargas. Esse tempo exige um preparo que inclui carícias e estímulo de zonas erógenas.

– Alguns homens preferem sexo rápido, enquanto para a maioria das mulheres o sexo mais elaborado é mais prazeroso – comenta a ginecologista e obstetra Janete Vettorazzi, professora da UFRGS e especialista em sexologia, responsável pelo ambulatório de sexologia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. – A valorização de pequenos momentos a dois pode refletir de forma positiva e estimulante na sexualidade feminina mais do que na masculina.

Foco no orgasmo

Assim como as perguntas em excesso, querer saber se a parceira já atingiu o clímax pode parecer um interesse legítimo para o homem, mas talvez soe completamente diferente para as mulheres. Para muitas pode parecer uma cobrança, o que até dificultaria o orgasmo. Segundo a sexóloga Jaqueline Brendler, em casais que estão em um relacionamento sério, se a pergunta vier depois do sexo, as mulheres tenderiam e encarar de forma mais tranquila e estariam mais abertas a discutir a questão. Janete Vettorazzi defende que os casais deveriam tirar a obrigação do sexo:

– As mulheres buscam ter orgasmo, mas este não é obrigatório para a satisfação sexual e não pode ser o único objetivo da relação.

A profissional comenta que, sem esse foco, quando o clímax acontecer, será ainda melhor:

– Você vai deixar toda a festa passar para aproveitar só o final?

Sexo a toda hora

A diferença entre ritmo e número de relações é grande para homens e mulheres. Não porque elas gostem menos, mas por serem mais afetadas por questões internas e externas.

– As mulheres, em geral, se sobrecarregam de atribuições que consideram mais urgentes ou importantes, sobrando pouco tempo para a dedicação da vida afetiva e sexual – explica Sandra Scalco.

Então, muitas vezes, elas estão cansadas e, quando se deparam com um convite, entendem como uma exigência de que elas deveriam estar prontas para o sexo, mesmo se não estão.

Essa questão também está relacionada ao fato de as mulheres não terem um desejo espontâneo, e sim uma vontade que precisa ser despertada com movimentos e estímulos. É também uma questão psicológica: casais que não convivem muito ou que não estejam em um momento bom da relação terão mais dificuldade em despertar o desejo sexual.

 

Fonte: Alocidade